Turks Became Muslim

Como os turcos se tornaram muçulmanos

  • Última modificação do post:setembro 1, 2023
  • Tempo de leitura:14 minutos de leitura
  • Categoria do post:Cultura / História

Você já se perguntou como os turcos se tornaram muçulmanos  Nesta postagem do blog, exploraremos a fascinante história da Turquia e sua conversão ao Islã.

Desde a primeira introdução no século 8 até os tempos modernos, aqui está uma visão geral de como essa cultura antiga incorporou uma das maiores religiões do mundo.

Como os turcos se tornaram muçulmanos

Introdução

Bem-vindo ao nosso blog que explora a rica história de como os turcos abraçaram o Islã! Esta narrativa fascinante se estende por séculos e deixou um impacto significativo em toda a região. As raízes do Islã na Turquia moderna remontam ao final do século 9, quando o estado estava sob o domínio dos Kharansids e abraçou o Islã como sua religião oficial.

No entanto, a história de muçulmanos e turcos é ainda mais antiga. Durante séculos, os comerciantes árabes e turcos se envolveram no comércio ao longo da Rota da Seda e trocaram idéias e costumes, incluindo suas respectivas crenças religiosas. Mesmo antes do advento do Islã, muitas tribos turcas tinham suas próprias práticas religiosas únicas que seguiam.

Muçulmanos e turcos se conheciam antes do Islã

Antes do surgimento do Islã, turcos e muçulmanos se conheciam e interagiam há muito tempo. Muitos turcos serviram nos exércitos do Império Abássida e, por causa da Rota da Seda, árabes e turcos trocavam mercadorias e conversavam sobre suas vidas e culturas. Apesar de suas distinções culturais e regionais, eles conseguiram coexistir amigavelmente.

O primeiro muçulmano convertido na Ásia Central

Khan Satuk Bughra Khan dos Kara-Khanids é reconhecido como o pioneiro muçulmano convertido na Ásia Central, marcando um marco significativo na disseminação do Islã para o povo turco e abrindo caminho para a futura expansão do Império Seljuk.

Embora os detalhes exatos sobre a conversão de Khan Bughra permaneçam obscuros, é amplamente aceito que foi resultado de sua exposição à cultura islâmica .

Fatores influentes na conversão dos turcos

A conversão gradual dos turcos do Goktanri (Göktürks) ao Islã foi um processo complexo que ocorreu ao longo de vários séculos e foi influenciado por uma variedade de fatores. Aqui estão alguns dos fatores mais significativos que desempenharam um papel vital na aceitação do povo turco do Islã:

  1. Comércio: A Rota da Seda, uma importante rede comercial que ligava a Ásia Central ao Oriente Médio, desempenhou um papel vital na disseminação do Islã para os povos turcos, incluindo os Goktanri. Comerciantes árabes e persas, que atravessaram a Rota da Seda, introduziram o Islã e, ao interagirem com o povo turco, começaram a propagar a fé.
  2. Fatores Políticos: Muitas comunidades turcas, incluindo os Goktanri, eram governadas por dinastias muçulmanas, como os abássidas e os samânidas. Essas dinastias promoveram ativamente o Islã para o povo turco, e seu impacto foi vital na propagação da religião.
  3. Fatores Culturais: O tengrismo foi afetado pela cultura dos povos vizinhos, principalmente os persas e os árabes, que já haviam abraçado o Islã. Os Goktanri adotaram vários elementos da cultura persa e árabe, como sua língua e sistema de escrita e, por sua vez, foram expostos ao Islã.
  4. Fatores espirituais: É fundamental notar que a conversão do povo turco ao Islã não se deu apenas por fatores externos. Muitos indivíduos entre os Goktanri foram atraídos pelo Islã por causa de seu apelo espiritual.

A Expansão do Império Seljúcida

O Império Seljúcida experimentou uma tremenda expansão durante o século XI. Os turcos Oghuz, liderados por Toghrul Bey, conquistaram a Pérsia e Bagdá e fizeram seu próprio reino. Essa expansão continuou até 1092, quando os seljúcidas conquistaram vários reinos muçulmanos menores e governaram desde o Iêmen, no sul, até o Afeganistão, no leste. 

Esse crescimento foi possibilitado por um novo corpo militar que permitiu aos seljúcidas estender seu controle a uma área muito maior. Durante esse período, os seljúcidas também deixaram uma forte marca no Islã, espalhando a lei islâmica pela Ásia Central e Oriente Médio.

O Primeiro Encontro dos Turcos com o Islã

turcos muçulmanos

Você já deve ter ouvido falar sobre como os turcos se tornaram muçulmanos e os fatores influentes que levaram à sua conversão. Mas antes de explorarmos esses detalhes, vamos dar uma olhada na primeira vez que os turcos encontraram o Islã. Tudo começou quando o Império Seljúcida se expandiu para Rum (Roma – Ásia Menor) e trouxe consigo sua fé islâmica. 

Foi quando o príncipe Tarkhan Nizak, governante de Sogdiana, se tornou o primeiro príncipe turco a se converter ao Islã. Os turcos foram então expostos à cultura islâmica, que lentamente se espalhou entre eles. Isso foi ainda mais ajudado pela Batalha de Talas, que aconteceu em 751 DC e fez do Islã a religião mais popular na Ásia Central. Antes disso, muitas tribos turcas praticavam uma forma de Tengrisim, mas eventualmente abraçaram o Islã em sua totalidade.

Tribos turcas e suas religiões antes do Islã

tengrismo

A crença no tengrismo, uma das crenças monoteístas, é a crença mais importante e mais acreditada dos turcos. Nas crenças do Tengrismo, ele era visto como o “Goktanri”, o criador e dono de todo o universo e de todas as pessoas. É o Tengrismo que dá vida às pessoas e tira suas vidas quando chega a hora.

Representantes dessa religião eram chamados de Kam e Baksi. Kams e Baksi, que eram clérigos, trabalharam para orientar as pessoas na propagação da religião. Estados onde se vê a crença no Tengrismo: Estado Huno Asiático, Estado Huno Europeu, Estado Köktürk, Estado Kutuk, Ávaros, Uigures.

Na crença tengrista, acreditava-se na vida após a morte. Após a morte, acreditava-se que os ímpios iriam para Tamu (inferno) e os bons iriam para Uçmağ (céu). Quando as pessoas acreditavam na vida após a morte, eram enterradas em túmulos com seus cavalos e pertences pessoais.

Antes do Islã, os turcos enterravam seus mortos em sepulturas chamadas Kurgan e plantavam balbals em suas cabeças. Cerimônias fúnebres chamadas “Yuğ” foram realizadas para as pessoas falecidas e refeições fúnebres chamadas “ comida Yuğ ” foram comidas.

Nos turcos pré-islâmicos, as pessoas colocavam pequenas estátuas em forma humana em seus túmulos. Essas estátuas que eles colocaram eram iguais ao número de inimigos mortos pelo falecido durante sua vida. Se ele tivesse matado 100 inimigos em sua vida, eles colocariam 100 pequenas estátuas em forma humana sobre seu túmulo. Essas pequenas estátuas foram chamadas de “Balbal”. Os turcos acreditavam que esses mel os serviriam no céu.

Estas esculturas podem ser feitas de pedra, bem como de árvores.

Havia também uma tradição de sacrifício na Fé Tengrista.

A primeira palavra decifrada nas inscrições de Orkhon que sobreviveram dos Kokturks foi “Tengri”.

Embora o clero (Kam, Baksı) não tivesse influência na administração do estado nos primeiros estados turcos, sua “compreensão religiosa” teve um impacto na administração do estado porque se acreditava que a autoridade para governar o país foi dada aos Kagans por a crença Göktanri (Kut).

O fato de que a religião do tengrismo tem efeito na escolha do governante também mostra que as crenças religiosas dos turcos têm efeito na administração do estado.

Na religião tengrista, o lado oriental era considerado sagrado porque o sol nascia do leste.

Semelhanças entre o islamismo e o tengrismo

tengrismoislamismo
MonoteísmoCrença em um Deus (Allah)
Proibição da adoração de ídolosProibição da adoração de ídolos
Jejum no mês de dezembroJejum durante o mês do Ramadã
Observância dos rituais de oraçãoObservância dos rituais de oração
Peregrinação a locais sagradosPeregrinação a Meca
Conceito de caridade e doação aos necessitadosÊnfase na caridade e na doação aos pobres e necessitados
Restrições dietéticas a certos alimentosProibição do consumo de carne de porco e álcool

Diferenças entre o islamismo e o tengrismo

Religião Goktanriislamismo
Nenhuma escritura sagradaSagrada Escritura (Alcorão) e Hadith
Nenhuma missão profética ou tradição proféticaÊnfase na profecia e tradição profética, incluindo Muhammad como o profeta final
Nenhuma lei religiosa estabelecida ou sistema legalÊnfase na lei Sharia e no sistema legal
Sem peregrinação obrigatóriaPeregrinação obrigatória a Meca (Hajj) para quem tem condições físicas e financeiras

Culto dos Ancestrais (Animismo)

No culto aos ancestrais, eles acreditavam que os espíritos de seus ancestrais falecidos os protegiam do mal. Buda mostra que existe uma crença na vida após a morte no culto aos ancestrais, como na religião do Tengrismo. Na crença do “culto dos ancestrais”, os ancestrais falecidos e os pertences de ancestrais falecidos eram considerados sagrados. Culto significa itens ancestrais. Foi sacrificado pelos ancestrais que morreram no culto aos ancestrais.

Totemismo (Morte, Água da Terra)

É a crença mais antiga vista nos turcos. Certas plantas e animais (lobo, águia…) são considerados sagrados e cultuados na crença do totemismo.

No totemismo, seres e animais sagrados eram chamados de “Ongun”.

O mito da descendência do lobo indica a existência da crença no totemismo. O lobo é o animal mais importante considerado sagrado pelos turcos.

xamanismo

Representantes da fé xamanística são xamãs, kams e bakshis. Shamans, kams e baksi usados ​​para realizar magia (mágica) se comunicam com os gênios e predizem o futuro. Segundo a crença do xamanismo, existem espíritos maus e bons, as pessoas lutam contra esses espíritos. No xamanismo, os clérigos visam curar os problemas das pessoas com magia e magia.

Culto da Natureza (Crença nas Forças da Natureza, Naturismo)

Na crença do culto à natureza, alguns objetos inanimados eram considerados sagrados. Acreditava-se também que esses seres sagrados tinham poderes mágicos. Esses seres sagrados; Lua, sol, céu, rio, montanha, vale, colina, rocha, floresta, árvore, raio…

Esses seres foram chamados de “Iduk”, e os poderes mágicos desses seres foram chamados de “água da terra”.

A Batalha de Talas e a Expansão do Islã

A Batalha de Talas em 751 foi um importante ponto de virada na propagação do Islã entre os turcos. Durante a batalha, as forças turcas se aliaram aos muçulmanos e as forças chinesas foram derrotadas. Essa vitória seria um marco importante para a cultura e a fé islâmica, pois demonstraria o poder do Islã e encorajaria mais turcos a adotá-lo. A exposição à cultura islâmica e o testemunho do poder das forças muçulmanas foi um fator chave na conversão dos turcos ao Islã. 

Acredita-se que esta batalha ajudou o Islã a se espalhar mais para o leste, até a Mongólia, porque fez com que as tribos turcas desejassem se converter ao Islã. A Batalha de Talas marca, portanto, um momento importante na história islâmica, pois não apenas demonstrou seu poder, mas também ajudou a espalhar sua influência para outras partes da Ásia Central.